SOU BRASILEIRA E NÃO DESISTO NUNCA!!!!!

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Quando tudo parece calmo e tranquilo...ahhhh!!!!


Quando vc pensa que acabou! Pronto tem muuuito mais.
A saga de Marilia:
Onte, 19 de maio de 2010. (eu disse 2010 não 2012quando tudo parece que vai acabar)
Fui ao supermercado pela manhã, tudo ok.
Cheguei em casa e toca a campainha.
O cara da Bandeirantes( energia), veio cortar a minha energia, eu disse como assim!? hoje em dia ninguém mais fica sem energia? deve ser um mal entendido, ou o meu marido se confundiu sei lá, a única coisa que sei é que isso não pode acontecer.
O cara botou o pé pra dentro de meteu a tesoura, eu já estava com roupa(ou sem roupa) de lutador de Sumô, me imaginando dando golpes de karatê, e uma tesoura no pescoço do infeliz, mas ele nem se abalou.
Minha irmã ia chegar de mala e cuia pra morar aqui na cidade, e ia me ligar da rodoviária para ir buscá-la, o caso é que sem energia o telefone sem fio não funciona, como é que a gente pode viver sem energia? Fiquei em pânico, precisa falar com alguém , para que fosse resolvida a situação, mas o orelhão (sim isso existe ainda, são poucos, mas existem) mais próximo era na rua de cima, e estava chegando a hora do almoço, eu precisava prepara para as crianças que chegam da escola como se estivem chegando do deserto, pensei (é raro mas acontece, igual cometa a cada 100 anos) vou adiantar e na hora de buscar a Sofia corro no orelhão e ligo, e assim fiz. Quando chego no portão, dou de cara com um japonês que vende massas de pizza caseira ( uma delícia) as vezes compro, mas ele é muito chato, fala demais, e tento cortá-lo, não tem jeito, fico olhando pra ele, esperando que termine a demostração feita há muitos anos sempre uma vez por semana, ele é cego de um olho, e nunca sei para qual fico olhando para dar atenção, aí fico pensando será que ele me vê por inteiro, só um pedaçõ, dá tempo pra viajar mesmo. Me livrei.
Fui até o orelhão, a MERDA do telefone do meu marido, estava fora de área (ódeo..não..não..muito ódeo)o telefone da empresa estava só ocupado, e não tinha tempo suficiente pra ficar tentando, voltei, quando chego no meio da minha ruam, encontro uma vizinha sacudida( ela tem 85 anos, mas corpinho de 84), ela é muito ativa e querida aqui, e pergunto: Tudo bem? (porque? porque perguntei?) ela disse: NÃO, ai ai ai, esperei que ela contasse a historia da filha que adoeceu, realmente uma coisa grave, e toca o telefone dela, pede para eu esperar um pouco...imaginam minha aflição? ela termina, eu atrasada corri pra escola pegar a pequena, entrei em casa e voltei a estaca 0, voltei ao orelhão carregando, ou melhor puxando a Sofia pelo braço, liguei pra minha irmã que achei que estive na rodoviária feito uma retirante com 500 malas sentadinha me esperando, ainda bem ela teve um problema e ia se atrasar, ufa! Esqueci do detalhe que estou sem celular, está no conserto, só pra piorar um pouquinho.
Não consegui falar com meu marido.Resolvi relaxar porque a esta altura eu já tinha enforcado ele com requintes de crueldade e pendurado o corpo do lado de fora de casa, assim como um açougue.
Almoçamos, e meu filho mais velho o Victor disse: Mãe vou lá na empresa de bike, eu disse: Se ele não tiver lá.
Resumo da ópera, só consegui falar com ele bem mais tarde, ele deu jeito em tudo, e no final deu tudo certo, entre mortos e feridos salvaram-se todos, eu saí dessa com uma úlcera, 1 quilo a mais, 27 fios de cabelos brancos, os olhos injetados de sangue(no estilo exorcista) Sofia com hematomas pelo corpo, Victor de perna quebrada, Farid (o do meio) ainda fala com dificuldades e o Marido está no hospital, os médicos dizem que um dia voltará a andar tamanha a violência das porradas que eu lhe dei.
No mais está tudo em paz....
Háháhá
depois que passa a gente ri
hoje é um outro dia, fui na entrevista, e voltaremos a conversar na terça-feira, parece que vai rolar, eu gostei, só que não tem ajuda de custo nem nada é simples: Vendeu = ganha, não vendeu= se fudeu.
Não vou falar de RA porque não tenho condições ainda, mas não abusei, então ainda estou empatada.
Volto logo, com a saga de Marilia II- A revanche ... Espero que não, já foi uma semana bem agitada.
beijos

5 comentários:

  1. Oi Marilia,
    Que triste!!! Ficar sem luz é realmente o ó do borogodó!! Isto já aconteceu aqui em casa e detalhe, a conta tava paga. Cortaram errado, fiquei quase 24h sem e ainda tive que pagar taxa de religamento. É claro que eles devolveram o $ mas até acontecer, foi um parto.
    Tadinha da Sofia!!!
    Beijocas e boa sorte no emprego

    ResponderExcluir
  2. olá!!!
    ixiii cortaram!!! que ódeo!!!
    boa sorte no trb! tive uma oportunidade tbém assim... sem ajuda de custo e só comissão! aí fiquei na mão! o maridon não me deu apoio nenhum... disse que isso não é trb! rs... aconteceu antes de engravidar...
    aí não rolou.... estou até hj em casa!!!!
    bjs

    ResponderExcluir
  3. KKKKKKKKKKKKKKKKK, mas e aí a luz voltou ou não??? Tá tomando banho frio com esse frio? Rsrsrs!!!!

    Amiga q confusão, tô rindo muito, pra variar né? Vc me mata de rir!!! Mas é só depois mesmo da raiva q a gente ri muito!!!

    Espero que dê certo o emprego, boa sorte, bjussss

    ResponderExcluir
  4. Que día! Espero que você se tenha recuperado já. Muita sorte con o nôvo trabalho.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Isso ai tá parecendo a vida como ela é, comico se não fosse real e trágico! Ainda bem que entre mortos e feridoa estão todos com a lampada acesa...
    E vamos levando a vida com bom humor amiga ah já ia esquecendo "equilibrio" e "mental" na mesma frase não se aplica à minha pessoa-palavra dos meus filhos kkkk
    Beijos e bom fim de semana, iluminado kkkk

    ResponderExcluir